27 de outubro de 2004

AMÉRICO " O Homem Idoso " Relato duma vivência

Estava sentado em frente da casa, nos degraus de madeira da escada antiga.

Era idoso,entre os 70 e 80 anos , e tinha o olhar fixo num ponto qualquer da rua em frente, com árvores enormes, rigorosamente alinhadas de ambos os lados.

Já caiam algumas folhas amareladas pelo frio da noite que, as começara a arrancar do verde abundante , que ainda tingia as que resistiam aos ares frios que a noite trazia, já anunciando o Inverno.

Era Setembro,o outono chegara.

O sol descia devagar, embora quente, já não tinha a intensidade das semanas anteriores.

Não havia carros na rua , e o olhar triste do homem idoso lá continuava parado,absorto nos seus pensamentos,nas suas recordacões , decerto do tempo que passara tão depressa,nas mudanças que aconteciam tão inesperadas e imprevistas.
A boina não cobria totalmente os cabelos brancos e curtos , nem a face magra marcada pela vida óbviamente de camponês.
Mãos calejadas e braços secos do duro trabalho do campo.
O seu aspecto, embora sombrio era benevolente,embora triste era gentil,embora parado era nobre.

Via-o ali com frequência e nem sabia se seria ou não português, mas o aspecto não enganava,como não enganavam as roupas,como não enganava a boina.
Decidi falar-lhe naquela tarde.

Parei em frente da porta da cerca de madeira, que circundava o espaço, onde a relva verde crescia. Estava cortada e limpa entre as escadas onde o homem se sentava e o passeio de cimento do outro lado da cerca .

"Boa tarde senhor", disse-lhe;

O levantar do rosto quase antes de acabar a frase, refletiu um brilho repentino, que num instante deu vida aos olhos.

Um sorriso cansado que naquele momento , alegrou seu rosto de sulcos profundos, que marcavam a passagem inexorável do tempo, tornavam desnecessária a pergunta que iria seguir-se, mas que, mesmo assim perguntei:

- O senhor é português ?

Respondeu afirmativamente, e na sua voz notava-se a alegria de ter alguém com quem falar,de preencher a tarde vazia e interminável e FALAR. Arrancar a mordaça que a vida lhe implantara,ainda que por instantes.

Perguntei se estava bem,se gostava de estar ali,se gostava do Canadá.

Disse que sim,que estava bem,o problema era estar só,seu filho e nora estavam no trabalho, seus netos na escola e ele ali , estava sózinho, sem nada que fazer o dia inteiro,sem ter com quem falar,todos os vizinhos falavam outras linguas.

Tive pena do homem e decidi ficar a fazer-lhe companhia e a conversar da vida, da sua,e sentir ao mesmo tempo , o drama de quem é arrancado ás suas raizes já na curva descendente da vida,quando a esperança de construir mais coisas já não existe,quando o sentimento de sentir o mundo a girar em seu redor já se perdeu,quando o fim já se torna bem visivel no horizonte e não há forma possivel de o trasnformar ou alterar a sua direcção.

Perguntei-lhe se se lembrava da terra, se ainda lá tinha família ou amigos,se pensava voltar...que tinha deixado na sua aldeia que mais se lembrava.

Respondeu que família nao tinha, sua companheira já partira havia 4 anos,seus amigos quase todos também ... mas que gostaria de voltar, tinha umas saudades imensas de sua horta...e ao falar na horta, os seus olhos brilharam mais,com uma lágrima que se soltou enquanto a voz ficou por momentos presa em palavras que não saíam.

Ficou calado por momentos,vergado pelo peso da emoção que não conseguia esconder,pela lágrima que teimava em não sumir de seus olhos.

Senti seu drama com ele , naquela lágrima furtiva,naquele olhar iluminado pela lembrança , mas ao mesmo tempo toldado pela saudade da terra, sua companheira e sua mãe, seu mundo e sua missão, sua raiz e sua referência.

Disse-me que tinha a horta mais bem cuidada das redondezas, nem uma erva,nem uma pedra se via na terra sempre limpa. Laranjeiras e pessegueiros, pereiras e macieiras sempre davam os melhores frutos de entre todas as da redondeza.

Falava entusiasmado do milho e do feijão,do tomate e das couves, como se cada palavra que dizia fosse mais uma semente que plantasse,mais uma alface que colhesse.Vivia as palavras,alternando nelas a alegria e a tristeza que a lembranças traziam em cada frase e em cada gesto que fazia.

Falou...falou...soltou na minha presençaa os seus pensamentos acumulados,as suas angústias e desejos,as suas lembranças e pesadelos.

Falou-me horrorizado do mato e das silvas que decerto já tomaram conta da terra, da horta sempre tão bem cuidada,do poço que também devia estar cheio de silvas,das árvores que se calhar nunca mais haviam sido podadas e cavadas.

Havia amargura e desespero na sua voz,carinho e inquietação , como se a horta fosse seu ente mais querido neste mundo.

Fiquei a olhar,a escutar, e a sentir o drama deste homem simples que se contentava com tão pouco na vida.Senti a sua tristeza mas também a sua energia.

Fiquei fascinado e maravilhado pela imagem deste homem , que em plena sociedade de consumo,de conforto e de vida fácil,continuava fiel e inalterado na sua essência e nas suas referências.

Também minha voz ficou presa na garganta...em palavras de conforto que nunca dariam a este homem o conforto que precisava...

Vislumbrei também com clareza um drama e um dilema, que todos os dias se repete por quem um dia partiu carregado de sonhos, mas sem a noção do impacto que esse passo viria a ter um dia na sua vida e caminhada e na dos outros à sua volta, do efeito e das consequências.Um drama que todos os dias se repete em todo o mundo, num movimento constante de massas , quantas vezes trágicamente e desumanamente exploradas, e fiquei feliz porque pelo menos isso o homem não sofria.Tinha conforto e carinho,atenção e respeito. Era tratado com dignidade e o cuidado que merecia,situação que nem sempre se verifica nas famílias emigrantes que trazem seus pais para junto de si.Nem todos nós portugueses cuidamos de nossos familiares como devemos...muitos deles são mal cuidados e desprezados em Portugal e nas comunidades emigrantes espalhadas pelo mundo.

Fiquei , não sei quanto tempo, e quando fui embora o senhor ainda tinha coisas por dizer,experiências para dividir. Pediu-me para voltar e conversar com ele. Pediu também desculpa se tinha sido massador.
Respondi que não...que tive imenso prazer em estar ali com ele, e prometi que voltaria.

O Inverno entretanto chegou,a relva ficou coberta de neve branca, e as escadas sempre vazias quando eu lá passava.

Não vi mais o homem idoso...a árvore secando lentamente fora do seu habitat, mas a imagem ficou nas palavras,no olhar,na descrição carinhosa e intensa da sua HORTA.
Ficou também na minha mente e consciência , mais um momento da vida de alguém,que eu adoptei também e transformei num momento meu, numa imagem que decerto não quero viver.

Nao vi mais o homem idoso,mas não o ter visto nada muda, continuam a existir por esse mundo milhares de portugueses idosos, sentados em escadas olhando a vida passar,caindo lentamente sem esperançaa de voltar um dia à terra que os viu nascer.

Triste...a face oculta do emigrante de vivendas bonitas,de carros novos, de grandeza vazia.

Triste, mas real e autêntico,neste mundo de dramas escondidos,de imagens falsas,de realidades perturbadoras, que raramente vêm à superficie.

Não perguntei o nome do senhor...nem precisei...!

Seu nome é decerto o meu... o teu ...o nosso!

AMÉRICO

24 de outubro de 2004

* AMOR PLATÓNICO * Legião Urbana

AMOR PLATÓNICO


Eu sou apenas alguém
ou até mesmo ninguém
talvez alguém invisível
que a admira a distância
sem a menor esperança
de um dia tornar-me visível
e você?
Você é o motivo
do meu amanhecer
e a minha angustia
ao anoitecer
você é o brinquedo caro
e eu a criança pobre
o menino solitário que quer ter o que não pode
dono de um amor sublime
mas culpado por quere-la
como quem a olha na vitrine
mas jamais poderá te-la
eu sei de todas as suas tristezas
e alegrias
mas você nada sabe
nem da minha fraqueza
nem da minha covardia
nem sequer que eu existo
é como um filme banal
entre o figurante e a atriz principal
meu papel era irrelevante
para contracenar
no final
no final
no final...

16 de outubro de 2004

Vitor Cintra " Depois... "

DEPOIS...

Se, cada vez que a fizesse,
A jura fosse cumprida,
Talvez jamais sucedesse
Sentir-se tão deprimida.

Depois do tempo do sonho,
Ante a crueza da vida,
Não há futuro risonho
P'ra quem viveu iludida.

Os olhos contam mágoa
- Às vezes tão rasos de água,
Que fazem crer que é sentida -

E a dor, que gera o desgosto,
_ Muito maior que o suposto -
P'la inocência perdida.

Vitor Cintra " Relances "

1 de outubro de 2004

AMÉRICO " O Primeiro Passo Sério na Vida "

Não chegamos onde estamos por mero acaso,não brotamos do vento,nem do mar nem do ar.

A nossa caminhada foi uma jornada repetida ao longo de todos os dias que vivemos, de todos os momentos que passamos, bons e maus, e foram eles juntamente com as pessoas com quem nos cruzamos que nos fizeram o que somos, que são a nossa história.

A minha é igual a tantas outras, com mais baixos do que altos,com mais trevas do que luz, mas é essencialmente uma história dum menino pobre, nascido duma família humilde mas orgulhosa, numa época difícil, numa aldeia pequena, entre duas montanhas, onde o vento norte sopra frio e forte.

É a história de alguém que ousou desafiar o mundo, olhar em frente e nunca deixar o sonho morrer, a adversidade vence-lo.

É a historia da determinacão, da teimosia, do firmar dos pés no chão e da alma no horizonte distante e correr ao seu encontro indiferente as dificuldades,as barreiras sociais e físicas, ao remar contra a maré no mar revolto da vida…

Vou abrir-me contigo, despir o meu intimo, abrir a minha alma. Vou abri-la para ti, mas para mim também.

Não me lembro de ter nascido, mas sei o dia em que foi, a hora também não sei, mas deve ter sido de noite.

A memória mais antiga que tenho é a das minhas primas a pentearem-me constantantemente,acho que tinha longos cabelos louros e para elas devia ser uma espécie de boneca com quem elas brincavam.
Creio que a parte do meu temperamento dócil e suave devo a elas,a outra a meus irmãos mais velhos que eram uns duros, única forma de sobreviver com alguma dignidade numa época de brigões e onde os fracos não tinham hipóteses.

Lembro-me também do meu baptismo na dura subida da vida, da primeira vez que subi a montanha sózinho cuidando das ovelhas .

A vida era difícil, cruel, e todos tinham que contribuir com a sua parte no esquema social da casa humilde. Todos tinham de trabalhar.

Ainda não andava na escola quando subi pela primeira vez à montanha sózinho e foi difícil …muito difícil.

A montanha era íngreme, as pernas pequenas,o peito também, para aguentar todo o oxigénio necessário para correr atrás das ovelhas que não me ligavam nenhuma .

Tinha medo,frio e fome, mas também a determinacão e o orgulho de fazer a minha parte, de contribuir para aliviar um pouco as dificuldades imensas, sobretudo , as da minha mãe.

Foi penosa a subida, mas finalmente cheguei lá acima e quando olhei para baixo senti- me o rei do mundo, e esqueci rápidamente do frio , do medo e da fome.

A paisagem era avassaladora.

Amontoados de casas semeadas pela imensa vastidão a meus pés, metidas no verde da floresta de pinheiros, eucaliptos e oliveiras, muitas oliveiras espalhadas a perder de vista, até onde a vista podia alcançar.

Foi aí, e nesse momento que os olhos e a alma do menino nasceram para o sonho, para o desejo determinado de alcançar e ultrapassar o horizonte distante.

Foi ai também, que a caminhada do menino na vida se começou a desenhar sózinho...sempre sózinho,e ainda continuo sózinho e orgulhoso como sempre,das minhas raizes,da minha estrutura, da minha natureza.

E foi assim que tudo começou,naquela tarde de Outono chuvosa e fria,de chuva miudinha, de vento forte do norte,de nuvens deslizando velozmente no céu, ora cinzento , ora azul cintilante no momento seguinte.

Aquela montanha tornou-se nesse dia, uma referência fundamental na minha vida.Um lugar de culto para a minha alma.Um marco fundamental na minha estrutura .

Foi minha aventura em menino,foi meu abrigo em adolescente,foi meu horizonte e minha meta em cidadão dum mundo enquanto viajava e conhecia outros mundos e outras gentes,outras paragens,outras realidades.Jamais deixou de estar comigo,e nunca mais vai deixar de estar.

Ás 7:15h da manhã de hoje,estava lá sentindo na pele a humidade que se levantava da terra ontem ressequida,hoje saciada pela chuva que caiu de noite.

É um local fabuloso,o miradouro priveligiado do Ribatejo, teras de ir lá um dia,ou uma noite.É sempre lindo!

Sabes,somos na vida a primeira coisa que fizemos,o que veio depois tornou-se sómente o enriquecer dessa primeira experiência, mais um degrau,mais uma etapa,mais um passo na direccão do horizonte cintilante do destino.

E o destino é feito todos os dias,em cada episódio que nos acontece,em cada projecto que começamos,em cada momento que se inventa,num sorriso e numa lágrima,numa ilusão e num desgosto,numa vitória e numa derrota.

É feito em cada flor que desponta,em cada fruto que amadurece,em cada tempestade que chega em cada jardim que floresce.

É feito em cada descoberta que fizemos,em cada encontro imprevisto que nos aparece pela frente..

Américo