26 de junho de 2005

Astrolábios "Volupias de Luar"

Tenho saudades do teu sorriso,
Da tua carne, da tua alma,
Lembro-te com a alma triste,
Revejo-te na noite calma.
Se eu fosse, sombras da sombra,
Levantar-te-ia numa onda,
De volupias e sombra,
Num sonho de aventura.
O nosso espírito adora a lua,
Sobrevoa qualquer mar,
Pelo ar místico flutua,
Neste esplêndido luar.
Ao raiar da manhã estás comigo,
Só de noite o teu corpo,
Não o tenho no meu abrigo.

“Astrolábios "

20 de junho de 2005

Nilzeth Alcântara " Sonhar "

SONHAR

Sonhar! É dizer à ilusão que você existe.
É buscar no impossível, a essência de tudo o que representas para mim...
Arrancando das cinzas, a tua imagem viva e o teu sorriso sincero.
É vestir de rendas a vontade que sinto de estar em você.
Sonhar! É viver a loucura da tua loucura.
Querendo pingos de chuva, cascatas de prazer.
É pedir ao vento, para dizer ao tempo para me levar;
Levar-me aos teus braços, para no teu abraço, eu me aconchegar.

Sonhar! É contar estrelas, criar arco-íris;
É banhar o meu corpo no mar do teu;
Saciar minha boca na fome de tua boca;
É sentir anoitecer, mesmo que neste instante ainda seja meio dia.
Sonhar!
É amar... Viver... Pertencer ... Te adorar.
É fundir o ontem no hoje, e não ter medo do amanhã;
É vencer, tremer chorar...
É acima de tudo acreditar que somente você, é capaz de me fazer sonhar.

Sonhar!






Nilzeth Alcântara

19/06/2005

19 de junho de 2005

PAULO COELHO " Encerrando um Ciclo "

ENCERRANDO UM CICLO - Paulo Coelho (O Globo - 22/08/04)

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final.

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos - não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Foi despedido do trabalho?
Terminou uma relação?
Deixou a casa dos pais?
Partiu para viver em outro país?
A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu.

Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó.

Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem connosco.

O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora.

Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem.

Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.

Deixar ir embora. Soltar.

Desprender-se. Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, às vezes perdemos.

Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor.

Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos,
promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são
adiadas em nome do "momento ideal".

Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si
mesmo que o que passou, jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.

Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser
quem era, e se transforme em quem é.

PAULO COELHO

14 de junho de 2005

JOSÉ MARIA LOPES DE ARAÚJO ** Ao Cair da Noite **

AO CAIR DA NOITE

Senta-te aqui … aqui, junto de mim.
Vem-me dizer o que a tua alma sente …
Que eu quero ouvir, embora tristemente,
A mágoa atroz que te amargura assim ! …

Quero saber ... minha Alma de Poeta
É um convento enorme de ilusões
E nele os prantos são as orações
Que adoçam bem o meu viver de asceta !

José Maria Lopes de Araújo “ Noite de Alma “

8 de junho de 2005

Florbela Espanca "AMAR"

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar



Florbela Espanca

4 de junho de 2005

Sou CONCHA* ...

 

Sou naufraga no oceano dos teus afagos,
Onde me afogo no mar dos teus braços.
Sou coral de mil cores e flor de muitos odores.
Sou mulher de muitos amores...
Sou Concha* ...
Sou Pérola de colecionadores,
Sou gaivota voando livre,
Neste céu e mar só meu,
Quem serei eu afinal?!
Se por sinal, esta sou EU !

Isabel  C.