20 de fevereiro de 2006

Sophia de Mello Breyner Andreson " Pudesse Eu "

Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes
Para poder responder aos teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes



Sophia de Mello Breyner Andreson

15 de fevereiro de 2006

ÁLVARO DE CAMPOS « O Que Há em Mim é Sobretudo Cansaço »»

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.


A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas.


Essas e o que faz falta nelas eternamente;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço, Cansaço.


Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...


E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo, Cansaço...



Álvaro de Campos

7 de fevereiro de 2006

Ninita



PICASSO DE UMA VIDA


Pó, vento, sol e água de África, assim sou eu uma mistura, fui e nele me tornarei, Vento que balbucia incoerências, Sol que brilha para quem amo, Água de lágrimas que purificam.

Dessa paisagem marcante e gritante, delineada a fogo na minha alma, ficaram em mim marcas indestrutíveis, e tal como na guerreira africana, vive em mim, a coragem, a perseverança e o amor.

A coragem para continuar a lutar quando tudo desmorona ao meu redor, quando nada parece dar certo, quando a luz enfraquece, quando o calor desaparece, quando o carinho se transforma em frieza, quando a esperança dá lugar a um vazio.

A perseverança para mesmo em altura de desgaste e de decepções, de lutas desiguais , de injustiças, escolher não desistir.

O amor, pela terra, pela família, pelos amigos, por tudo o que me rodeia, sentimento forte em mim, muitas vezes escondido debaixo de uma aparente serenidade e controle. Amo sem artifícios, sem calculismo, sem temer sofrer de cada vez que perco nessa guerra de sentimentos.

Num bater descompassado este coração ilumina-se ainda ao imaginar o enlace com outro igual, emociona-se ainda num toque fortuito, numa troca de olhares, numa cumplicidade silenciosa, e quantas vezes ferido de morte por ter acreditado naquilo que não passou de ilusão, reacende-se e dessas cinzas surge novo amor que vem trazer novas sensações e um novo alento até à próxima queda.

Emoções tão diversas sacodem este corpo e esta mente, do riso vou às lágrimas sem conseguir separá-los, sem perceber onde um começa e o outro acaba, da alegria parto para a tristeza numa fronteira aberta entre as duas, dum mundo pintado em aguarela ou óleo, passo para um sketch a carvão, naquilo a que chamo o picasso da minha vida.

Quero ser a musa dos meus poemas, a inspiração dos meus quadros, a personagem dos meus livros, a actriz dos meus filmes, a fonte dos meus devaneios, mas principalmente quero ser Eu.

Ninita 24/06/05