21 de outubro de 2010

" Poema da Vida " de José Maria Lopes de Araújo





















Perguntas-me o que é a vida!
A Vida, meu amor,
É Amor
E ódio e talvez Morte …
E é semente de Bem que germina Ventura …
Vida é isto … E mais do que isto:
É Cristo
Na imagem do nosso semelhante;
É Amor … É Bem! …


O mar, no seu bramir
Constante,
Grita
Vida, vida que vem
Das suas entranhas,
No pão do marinheiro,
No pão do pescador.


Vida é o adeus
Na hora da partida …
É a angústia
De não poder
Estender
A mão,
Quando outras mãos,
Em gesto aflito
Suplicam ajuda …


Vida
É fome em tugúrios …
É esplendor
Em palácios …
Vida
É o grito sufocado
Que o ódio atiça …
O grito atormentado
Dos que clamam, em vão,
Piedade, amor e justiça! …


Vida,
Meu Amor,
É todo este Mundo
De podridão e de beleza,
Onde se confundem,
Em abismo profundo,
O Ódio e o Amor,
A Paz e a Dor,
A Alegria e a Tristeza! …


Vida é o sorriso enganador,
A soberba revoltante,
A mentira da verdade
Que se jura a cada instante …


Vida
É o negrume do cárcere
Onde se mirram,
Impiedosamente,
Os mais são ideais,
Quando se extingue
A luz da Justiça, do Bem


E da Verdade! …


É a dor daqueles pais
Que choram a perda dos filhos
Que, um dia, abalaram
E nunca mais,
Nunca Mais voltaram …


Vida
É a infância abandonada …
É o “ fruto do amor sem casamento “ …
É o grito sem eco …
É esse Nada
Que é Tudo, um Tudo
Todo feito de prazer e de tormento!


Para quê, pois viver,
Fugindo ao sofrimento
E entregue às vãs delícias da ventura,
Se a vida,
Oh! Meu amor,
É isto,
Este confuso misto
De dor e de prazer,
De gozo
E de amargura ! …


Vida é o rubro da forja …
É o canto do malho,
No ferro retorcido …
É o gemido
Do arado com que a corja
Vai rasgando a terra,
Embriagada de suor!

A corja que nos doa, generosamente,
A mais bela lição de Amor e de Verdade!
De Sol a Sol curvada, com sacrifício e humildade …
E sacrifício é sangue
A redimir a própria Humanidade!
Vida é isto …
Esta amálgama constante de sentimentos …
E sei lá que mais …
Perguntas-me o que é a ávida!
Que mais te posso dizer?
… É a chama misteriosa,
Clarão que, em breve, se apaga;
Chama que ilumina e arde …
E, se a tentamos reacender,
É tarde … Sempre tarde! …

JOSÉ MARIA LOPES DE ARAÚJO

11 de outubro de 2010

Palavras e Silêncios ....de Fernando Pessoa
















É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo
 
Fernando Pessoa