19 de outubro de 2013

Cinco Poemas de António Aleixo
















Acho uma moral ruim
trazer o vulgo enganado: 
mandarem fazer assim
e eles fazerem assado.

Sou um dos membros malditos
dessa falsa sociedade
que, baseada nos mitos,
podem roubar à vontade.

Esses por quem não te interessas
produzem quanto consomes:
vivem das tuas promessas
ganhando o pão que tu comes.

Não me dêem 
Acho uma moral ruim
trazer o vulgo enganado: 
mandarem fazer assim
e eles fazerem assado.

Sou um dos membros malditos
dessa falsa sociedade
que, baseada nos mitos,
podem roubar à vontade.

Esses por quem não te interessas
produzem quanto consomes:
vivem das tuas promessas
ganhando o pão que tu comes.

Não me dêem mais desgostos
porque sei raciocinar...
Só os burros estão dispostos
a sofrer sem protestar!

Esta mascarada enorme
com que o mundo nos aldraba,
dura enquanto o povo dorme,
quando ele acordar, acaba.



António Aleixo


14 de outubro de 2013

Amar....poema de Américo Silva






AMAR  Como eu sei...

Amar não se inventa, não nasce, não morre,
Faz parte do sangue que corre apressado,
É o fogo suave, que aquece a vida
É o luar de Agosto, é a chuva de Outono.

É a flor que desponta, é a folha que cai,
É um brilho nos olhos, um sorriso nos lábios
É o beijo que deslumbra, é o medo que angustía
É uma chegada desejada, uma partida desolada.

É um caminhar lado a lado, num vulcão adormecido,
É um beijo inesperado, numa viagem sem destino,
É uma paragem inesperada, entre hortênsias e hortelã
É uma caricia fugidia, numa estrada molhada.

É um caminhar à tôa, na noite acolhedora,
À procura do nada, no silêncio da alma,
No escuro protector duma montanha distante.
É a ousadia de sentir, o prazer de encontrar.

É o primeiro olhar, sorriso,  abraço, beijo....
O primeiro pulsar inquieto, a primeira angustia
A primeira dúvida, a primeira incerteza,
Sentir que o vento não se agarra, que a vida não se pára.

É um encontro com um tesouro que não sabemos guardar
É o brilho da luz dum cigarro, numa varanda escura,
Numa noite de vento, de medo..., de Setembro.
Um beijo apressado, num parque iluminado, num adeus repentino.

Amar é um fogo adormecido, escondido nas cinzas,
Que a brisa leve do destino, às vezes põe a descoberto,
Que o vendaval da paixão, ás vezes arrasa sem pensar,
Para se erguer de novo, e acender mais uma vez.

Amar é isso...um fogo adormecido,que sempre se reacende.
Uma chama apagada que se torna uma luz,
Que apaga e se acende ...
Que morre e ressuscita...
Para reviver eternamente na alma de quem sente.


Em Setembro 2003...Outubro 2010 ....Outubro 2013, amar será sempre assim.

Américo Silva

18 Set 04