30 de junho de 2014

Passagem das Horas.... poema de Álvaro de Campos




Trago dentro do meu coração, 
Como num cofre que se não pode fechar de cheio, 
Todos os lugares onde estive, 
Todos os portos a que cheguei, 
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias, 
Ou de tombadilhos, sonhando, 
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero. 

Álvaro de Campos, heterónimo de Fernando Pessoa