3 de outubro de 2011

Ilhas de Bruma.... José Ferreira


 
"Ainda sinto os pés no terreiro,
Que os meus avós bailavam o pézinho
É que nas veias corre-me basalto negro
E na lembrança vulcões e terramotos.

Por isso é que sou das ilhas de bruma,
Onde as gaivotas vão beijar a terra

Se no falar trago a dolência das ondas
O olhar é a doçura das lagoas
É que trago a ternura das hortênsias
E no coração a ardência das caldeiras.

Por isso é que sou das ilhas de bruma,
Onde as gaivotas vão beijar a terra

Trago o roxo a saudade esta amargura
E só o vento me ecoa na lonjura
Mas trago o mar imenso no meu peito
E tanto verde a indicar-me a esperança.

Por isso é que eu sou das ilhas de bruma,
Onde as gaivotas vão beijar a terra

É que nas veias corre-me basalto negro
No coração a ardência das caldeiras.
O mar imenso me enche a alma,
E tenho verde, tanto verde a indicar-me a esperança.

Por isso é que sou das ilhas de bruma
Onde as gaivotas vão beijar a terra"

JOSÉ FERREIRA

2 comentários:

  1. "Alguém está aqui a traduzir-me a minh'alma"(imaginei ao ler o poema).
    Salve, salve, poeta!
    Parabéns pelos belos versos.
    Abraços do Brasil.

    ResponderEliminar
  2. That makes complete sense!It sounds like a great book. Thanks for sharing.

    ResponderEliminar