30 de dezembro de 2012

Pequeno Poema de Sebastião da Gama



Quando eu nasci,
ficou tudo como estava.

Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém...

Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe..


Sebastião da Gama

21 de dezembro de 2012

Feliz Natal



Nesta época de Natal, desejo a todos os meus visitantes umas boas festas. 
Que Deus nos abençoe a todos e  traga paz  ao mundo e nas nossas almas. 
Trabalho para todos, e comida na mesa dos que nos tempos que correm, passam por diversas necessidades. 
Que todos possamos desenvolver mais em nós os valores humanos, a tolerância para com os outros, e nos lembremos que se Deus é Pai e perante ele, somos todos somos Irmãos, que a dor e aflição, as alegrias e tristezas, as necessidades de qualquer espécie, sentidas pelo meu irmão, seja  para todos nós motivo de compreensão e de dádiva, sendo a maior de todas as dádivas o amor pelo próximo.

A todos um santo e feliz Natal

Beijo 

Isabel Cabral