11 de março de 2004

Fernando Monteiro da Câmara Pereira - Poema " Á Mulher de Branco "

Á MULHER DE BRANCO

Mulher – sonho
de casaco branco…
que passas veloz,
altiva
no ecran da minha vida
o teu corpo,
a tua imagem
restam sempre em mim presente!

Mulher-desejo
de casaco branco…
que fazes brotar de amor
p’lo tempo do além fora
como em tempo
o sol nascente
me fez nascer outrora!

Mulher – distante
de casaco branco…
que passas em sonho,
triste
no meu corpo todo ardente
não fujas tão de repente
da minha alma
sempre só!

Mulher-fumo
de casaco branco…
pára em mim
toda a nascente
seja longo o teu percurso
faz brotar
o teu amor
no delta do meu poente!

Mulher – nada
De casaco branco…
Que rasgas o meu horizonte
Sem de mim ter feito eco
Não fujas
Lá para o distante
Não deixes meu ser ausente…

Oh instante angustiado
Ficarei sozinho na dor
Por te ter querido amar
Em meu longo sonho distante!

Ficarei sozinho na dor
Em sonho, desejo e fumo…

Mar.81