14 de agosto de 2004

VITOR CINTRA " Poente "

POENTE

A tarde finda,
Num pôr-de-sol
Que brilha ainda.
A alma,
Onde a saudade impera,
Desespera.
Presente,
Um rol
De marcas e sinais,
Dos quais
A nostalgia
Se evidencia,
Se sente.
Na tarde calma,
Enquanto o sol se perde
Num mar, que ferve,
Avermelando o céu,
Aumenta a dor
Do amor,
Que se perdeu.


Vitor Cintra do livro " Contrastes "

2 comentários:

  1. O sol, o crepúsculo, e sons de dia que se despede.
    :)
    Lindo poema de Cintra e imagem perfeitamente enquadrada.
    :)
    Bjitos e resto de bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. obrigada pela visita ao www.estreladtarde.blogs.sapo.pt. O nome Estrela da Tarde, vem justamente do fado que o Carlos do Carmo canta, cuja letra é de Ary dos Santos, poeta de quem eu gosto muito.
    Gostei muito do seu Blog e da sua poesia. Voltarei mais vezes. Bom Fim de Semana

    ResponderEliminar