20 de outubro de 2006

Para uma Mãe. LÚCIA




PEQUENINA

És pequenina e ris… A boca breve
É um pequeno idílio cor-de-rosa…
Haste de lírio frágil e mimoso!
Cofre de beijos feito sonho e neve…

Doce quimera que a nossa alma deve
Ao Céu que assim te fez tão graciosa!
Que nesta vida amarga e tormentosa
Te fez nascer como um perfume leve!

O ver o teu olhar faz bem à gente…
E cheira e sabe, a nossa boca, a flores
Quando o teu nome diz, suavemente…

Pequenina que a Mãe de Deus sonhou,
Que ela afaste de ti aquelas dores
Que fizeram de mim isto que sou!



Florbela Espanca - Livro de Mágoas


.........Lindas as filhas que de ti nasceram.
Obrigada pelo amor com que criaste o meu filho.


Isabel

7 comentários:

  1. Muito lindo!

    Felicidade a rodos e um óptimo
    Fim de semana, apesar de invernoso.
    Mesmo com chuva, guarda o sol
    No teu coração!

    Beijinho,

    ResponderEliminar
  2. É bonito ver a gratidão reflectida neste post.
    Adoro Florbela..
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Oi Alma de Poeta!
    O poema está muito giro!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. "Pequenina"
    Mas enorme nas palavras
    da saudosa poetisa.

    Desejo-te as maiores felicidades
    boa semana

    Bjinhos

    ResponderEliminar
  5. Um poema da Florbela. E mais nada há a dizer.
    Quero que estejas bem, quero que fiques bem.
    Manuel

    ResponderEliminar
  6. Musa inspiradora de cada momento em sonetos que deram vida à Poesia em Portugal e continuam a dar frutos.
    Parabéns pela escolha.
    Obrigada por nos brindares com esta maravilha.

    Vem até cá.
    http://bica.blogs.sapo.pt

    AMIGA SEMPRE
    ALUENA

    ResponderEliminar
  7. Um andar por aqui. E desta vez debruço-me sobre as ultimas palavras (Obrigado pelo amor com que criaste o meu filho). Certamente palavras de agradecimento a alguém que foi carinhosa. E será que ela vai ler estas palavras?!... Possívelmente não o saberá.
    Fica bem, fica o melhor possível.
    Que tudo vá bem.
    Manuel

    ResponderEliminar