6 de junho de 2007

* A PALAVRA IMPOSSÍVEL * poema de Adolfo Casais Monteiro

Deram-me o silêncio para eu guardar dentro de mim
A vida que não se troca por palavras.
Deram-mo para eu guardar dentro de mim
As vozes que só em mim são verdadeiras.
Deram-mo para eu guardar dentro de mim
A impossível palavra verdade.


Deram-me o silêncio como uma palavra impossível,
Nua e clara como o fulgor duma lâmina invencível,
Para eu guardar dentro de mim,
Para eu ignorar dentro de mim
A única palavra sem disfarce -
A palavra que nunca se profere.




ADOLFO CASAIS MONTEIRO


do Livro * Rosa do Mundo *
2001 Poemas para o Futuro

4 comentários:

  1. Gostei do poema, é bom.
    Uma boa escolha.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. O silêncio, palavra por vezes ruidosa, e impossível de calar.
    Fica bem.
    Felicidades.
    Manuel

    ResponderEliminar
  3. ANJO
    Anjo,
    Que sobrevoa meu sonho
    Me deixa alerta, desperto,
    Me deixa muito mais perto
    Das coisas boas da vida.
    Anjo,
    Te enxergar é complexo,
    É se curvar circunflexo,
    Copmpenetrado tristonho
    Diante tua luz refletida.

    Não quero nexo,
    Sem essa ausência de sexo
    Eu quero te ver perplexo,
    Anjo tirado de mim.
    Te quero anjo no céu,
    Te quero voando ao léu.

    Um beijo
    Desculpa o atrevimento.

    Naeno

    ResponderEliminar