25 de setembro de 2007

Poemas oriundos da INDIA do Livro * Rosa do Mundo *







Esta mesma lua ilumina a minha amada
O vento acariciou já o seu rosto
A lua impregnou-se da sua beleza
e o vento do seu perfume.

Quem ama de verdade pouco lhe basta
para suportar a separação...
Que ela e eu respiremos o mesmo ar
E que os nossos pés pisem o mesmo chão.




Tradução de Jorge Sousa Braga

4 comentários:

  1. Como sempre revelas-nos, mais do que um poema, uma delícia.

    Obrigado pelas palavras amigas.
    É de facto tempo de regressar à realidade, pois a vida não pára.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Para quem ama não há tempo que separa...

    Doce beijo

    ResponderEliminar
  3. Um amor que une duas almas que dividem os mesmos espaços e as mesmas sensações.

    Beijos poéticos.

    ResponderEliminar
  4. os teus poemas sao muitos lindo como tu,que sao como uma rosa no jardim...um beijo

    ResponderEliminar