8 de fevereiro de 2008

* SONETO * poema der E.E.Cummings (E.U.A)





Não será sempre assim... Quando não for,
Quando teus lábios forem de outro; quando
No rosto de outro o teu suspiro brando
Soprar; quando em silêncio, ou no maior

Delírio de plavras desvairando,
Ao teu peito o estreitares com fervor;
Quando, um dia, em frieza e desamor
Tua afeição por mim se for trocando:

Se tal acontecer, fala-me. Irei
Procurá-lo, dizer-lhe num sorriso:
" Goza a ventura que já gozei".

Depois, desviando os olhos, de improviso,
Longe, ah tão longe, um pássaro ouvirei
Cantar no meu perdido paraíso.


Tradução de : Manuel Bandeira

Livro: Rosa do Mundo

2 comentários:

  1. Se tal acontecer, fala-me. Irei
    Procurá-lo, dizer-lhe num sorriso:
    " Goza a ventura que já gozei".
    ----------------
    É claro, isto só acontece em poesia. A realidade seria muito diferente.
    Fica bem.
    Felicidades.
    Manuel

    ResponderEliminar
  2. Olá meu querido amigo, adorei o Soneto!
    Belíssimo.
    Beijinhos de carinho e amizade.
    Fernandinha

    ResponderEliminar