10 de novembro de 2008

ÁRVORE poema de Kóstas Karyotákis ( Grécia)

ÁRVORE


Com rosto indiferente e ar de pouco caso,
saúdo as madrugas, os ocasos.

Árvore, hei-de olhar, com mirada isenta,
o céu azul ou a fúria da tormenta.

A vida, digo, é féretro no qual
dor,
alegria do homem têm o seu final

Sem comentários:

Enviar um comentário