21 de fevereiro de 2009

Trovejas Dentro de Mim.... poema de L.G.


Trovoada sim, trovoada não,
Trovejas dentro de mim.
No silêncio dos trovões e na escuridão dos clarões
invade-me um frio nordestino,
rebelião vespertina que esgota o ar dos pulmões.
Tempestade sim, tempestade não,
cintilam as estrelas;
Muitas daquelas que apontei até os dedos cravejar.
São temporais de ida e volta
que o são para não mais voltar. 


Luis Gabriel
21/2/2009

Sem comentários:

Enviar um comentário