1 de março de 2009

FERNANDO MONTEIRO DA CÂMARA PEREIRA poema " Um Silêncio Absoluto "



Escuto

Escuto o silêncio
um silêncio absoluto

Sinto

sinto o pendular
da inteligência do meu génio louco

Escuto

escuto o eclodir
da potência no meu primeiro géne

Sinto

sinto rasgar-se em cizão
o espasmo do meu pai primitivo

Sinto

Sinto a dinâmica primária
do alvorecer do dia-calor



FERNANDO MONTEIRO

do livro " Mar Branco "


Poeta da minha Ilha . S.Maria-Açores

4 comentários:

  1. QUERIDA AMIGA ISABEL... GOSTEI DO POEMA... BOA SEMANA... UM ABRAÇO DE CARINHO,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  2. Imagem e texto maravilhosos. Uma iluminada semana para ti.
    abraço

    ResponderEliminar
  3. :))

    Um beijinho e estou de volta :) *

    ResponderEliminar
  4. Sublimes versos escapam das almas dos poetas
    Viajando até ao fundo dos céus como balões …
    Suspensos ficam no tecto brilhando poesias inquietas
    Reflectindo olhos orvalhados em prados de emoções

    Dedicado a todos
    Os poetas e poetisas
    Deste mundo,
    Os que já adormeceram,
    E aos outros
    Que ainda nem sono têm...

    Bem hajam!

    Um resto de uma boa semana...

    O eterno abraço…

    -MANZAS-

    ResponderEliminar