12 de maio de 2009

DOR DA SOLIDÃO de Antonio Manoel Abreu Sardenberg

Não existe dor maior
Que a dor da solidão...
É dor cruel e perversa
Que não aceita conversa
E nem mesmo explicação!
É dor do só, do sozinho,
É carência de carinho,
Seu sintoma é a paixão.

E essa dor tão doída
Que tanto maltrata a gente
Chega assim tão de repente
Sem sequer bater na porta.
Para ela pouco importa
Se está matando o doente,
Se a "Inês é quase morta".

É uma dor que aniquila,
Que castiga, que maltrata,
É mais forte que a tequila
Mais ardente que a cachaça.
É pior que a dor que tomba,
Mais cruel que a dor que mata.



Antonio Manoel Abreu Sardenberg

1 comentário:

  1. OLÁ QUERIDA ISABEL, BELÍSSIMO POEMA... GRATA PELA PARTILHA... ABRAÇOS DE CARINHO,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar