5 de maio de 2010

Á Procura de Deus...poema de Cahit Sitki Taranci



















Sei, de errar nunca mais paro,
O passo torto me leva;
Na macieira as mãos agarro;
Tenho avós Adão e Eva.

Nem uma, nem duas vezes,
Mas todas tenho pecado.
Bem sabes, Senhor, só Tu és
Quem está sempre do meu lado.

Olha às lágrimas que verto,
É que eu mentir não posso,
Ao sol ponho o que vai dentro;
Inferno é-me o remorso.

Nem de noite sou luzeiro,
Nem borboleta de dia.
Como eu de verdadeiro
Teu rosto, Senhor, queria.

Não é vã a reza que digo,
Ninguém sabe meu desgosto;
Será amigo ou inimigo
Quem na água lhe dança o rosto?

É o mar sem fronteira alguma;
Vaga cruel, barco furado.
Ai os montes, ai a bruma
Onde se perde o veado!

Meu dia é sofrer infindo;
Noites - árido deserto.
Cada astro que vai caindo
É um ai que me arranca o peito.

Tenho ferida que não sara;
Meu braço - asa quebrada.
A mocidade voara.
Como então não dei por nada?

Não fosses Tu, em vão chora
Quem por outro Amor anseia;
Livra, Deus, Teu escravo agora
Da noite que o rodeia.


Cahit Sitki Taranci
1910-1956

1 comentário: