30 de julho de 2010

As Escadas de São Bento.... poema de Manuela Bulcão




















Rugas na cara
Cigarro esvoaçante ar cansado
Minissaia apertada de feridas
Corpo de traste
Sorriso desfeito pela pancada e felatio


Mulher objecto
Arranhada pela sede de sexo dos homens
Criança perdida
Lupanário ao ar livre sobre o céu do Porto


Vitima ou criminosa?
Acaso ou simples fome para matar?
Vicio ou escravidão?
Perguntas e mais perguntas…
Vejo aí nas escadarias de São Bento
Passo e olho
Fico presa no hábito mundano de ignorar
E sigo atrasada nos meus afazeres e papeis
Bastava uma palavra para a salvar?


Manuela Bulcão

3 comentários:

  1. Olá Isabel, lindo poema este da Manuela Bulcão, que confesso não conheçia mas irei concerteza conhecer. A vida de prostituição aqui muito bem, descrita neste poema, coloca-nos perante a problemática de fecharmos os olhos, ou para o lado. A nossa falsa indiferença, é fruto da cultura púdica que nos foi incutida pela sociedade! Resta-nos a dúvida crescente, se dessemos uma palavra amiga, ajudariamos?

    Tem uma boa noite.
    Beijinhos
    Sãozita.

    ResponderEliminar