25 de dezembro de 2010

Talvez seja o Nada
















Sinto-me a acordar do sonho, do levitar sobre a realidade.
Acordar para ver, que a vida é feita em tons de cinzento e sentir que a solidão é a constante companheira.
Que a vida passa, no dia a dia vazio, apenas repleto de nada ou de muita incerteza
Não não existe calor humano, presença, carinho, palavras, afectos, gestos.
A angústia, tristeza, solidão, o aperto na garganta, a dor no peito, transformaram-se em problemas crónicos.
Tudo é vago, tudo é incerto.
Não se conjuga no presente, o querer, desejar, ansear, sonhar, amar.
A incerteza é uma certeza, aliada do talvez.
Talvez vá...talvez fique....talvez possa... talvez venha, e no fundo o talvez é a certeza do nada.
Apenas assisto ao passar da vida como se fosse um sonho, um filme ou uma miragem.
Não me vejo, sou apenas sombra de mim mesma, o segundo plano, a terceira hipótese, a quarta opção, e na quinta, não existo e o que sinto, não conta para nada.
Sinto que a ingenuidade, a crença o sentimento, o sonho, a entrega e o pensamento, são apenas defeitos.
Os momentos difícieis passo-os acompanhada comigo mesma, e as palavras de conforto, não as escuto no silêncio.
Sinto a degradação do sentimento, dentro de mim.
Sinto que não vivo, apenas sobrevivo, sem sonhos, esperanças objectivos.
O futuro não existe.

 Sou o nada !

Imscv

19.03.2010

2 comentários:

  1. Olá!

    Adorei a poesia

    "Os momentos difícieis passo-os acompanhada comigo mesma, e as palavras de conforto, não as escuto no silêncio"

    Fico com este fragmento!

    Bjs

    Mila

    ResponderEliminar
  2. Ai, amiga!

    Que poema triste

    num dia que deveria ser de graças!

    Espero e desejo que o ano

    que se aproxima lhe traga

    melhor estado de espírito!

    Beijinho

    ResponderEliminar