16 de dezembro de 2005

SIDÓNIO BETTENCOURT do livro " Deserto de Todas as Chuvas "

DESPEDIDA

Fria a tarde e distante da beira praia num soluço de olhar fugidio entre o mar, céu e a nudez a fervilhar.
Fria tarde esta, que não te sente os lábios e o fogo do teu corpo, quando te deixo sem regresso.
Fria solidão, quando os teus braços se soltam do murmúrio.
Fria e triste monotonia, e o Outono sem o brilho dos teus olhos, nos cabelos revoltos e revoltados, destes dedos que acendo.
Ventre de dança, no corpo que animas e onde revejo os lugares escondidos do desejo.
Quando agora partir, só tu me deixas ficar, e na boca cair uma lágrima de sede a cantar Bethânia, rolando no eco da minha voz, desafinada e rouca " Onde Estará o Meu Amor?"
O amor.
Sim, o amor.
Quem o conforta, quem o aquece, quem o derrete?
Fria tarde de tristeza funda.



Sidónio Bettencourt
"Deserto de Todas as Chuvas "

12 comentários:

  1. Dizem que á a possibilidade de chover salgado, passei para desejar bom fim de semana, gostei do post, um abraço...

    osaldanossapele.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  2. Quem conforta o amor? Nós próprios, quando o alimentamos, quando tomamos conta dele, quando estamos empenhados em que ele cresça forte e nunca nos abandone. Bicadinhas boaspara ti (desculpa a ausência, estive fora).

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Novamente, desapareci durante uns dias, mas se tiveres oportunidade de ler o artigo que tenciono publicar amanhã, vais entender o porquê.
    De qualquer forma, estive a ler todos os textos que escreveste desde que cá estive pela última vez, como sempre!
    Gostei de todos eles! Parabéns pela selecção e por partilhares connosco trechos de textos tão interessantes!
    Bom fim-de-semana!
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do post! Obrigada por me ter linkado. Também vou "levar" o seu cantinho para o meu blog. Beijinhos com sabor a Natal e bom fim-de-semana. *****

    ResponderEliminar
  5. Muito foerte e bem interessante o texto, gostei, ele exala a solidão a tristeza da falta.
    Abraços

    ResponderEliminar
  6. "...Onde Estará o Meu Amor?"
    O amor.
    Sim, o amor.
    Quem o conforta, quem o aquece, quem o derrete?
    Fria tarde de tristeza funda."

    O Amor, disperso em mil sentimentos...

    Um abraço e FELIZ NATAL ;)

    ResponderEliminar
  7. Grata pelas palavras no meu blog e, que o espírito do verdadeiro Natal te acompanhe.

    Um abraço carinhoso e, FELIZ NATAL ;)

    ResponderEliminar
  8. "Paz na Terra aos homens de boa vontade" Feliz Natal com muita Paz e Amor e que o Novo Ano traga muitas alegrias. Um beijo de Amizade e um enorme e natalicio xi coração.

    ResponderEliminar
  9. Onde estará o meu amor?!..
    Um Natal Feliz pra ti e os que te são queridos!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Muito bom teu blog...Sensibilidade é algo especial, encontra-se nas pessoas que têm na alma o sonho dos poetas. Adoro escrever, amei passar aqui.


    Tua ausência

    Sinto-me tão sozinha
    Num labirinto de dor,
    Que as lágrimas que derramo,
    Já nem sei se são de amor.

    Como as ondas beijam a areia,
    Teus lábios beijam meus sonhos,
    E na lua refletida
    A tua imagem tão querida,
    É quarida para minha dor.

    São longas as madrugadas,
    O amanhecer tão tristonho,
    Cada dia, cada hora, já nem sei se as lamento,
    Pois o pranto que derramo,
    Não servem de acalanto.

    Os sons que me chegam,
    São tua voz a perturbar,
    A ânsia de ouvir um dia,
    De AMOR tu me chamar.

    Vera Regina de Azevedo Rodrigues
    24/10/05
    estrelaeluz2004@yahoo.com.br
    FELIZ NATAL, UM ANO PLENO DE LUZ!

    Meu carinho

    ResponderEliminar
  11. caro poeta.

    Lendoo seu poema DESPEDIDA , compreendi mais profundamente o significado da frase que tanto repito: Ser poeta é preciso , isto é tão fantástico quanto quanto compreender que poesia é para quem dela precisa. Como viver sem poesia?? Se, é nela que reside a essencia da vida. Luaparamar (Laura)

    ResponderEliminar