8 de julho de 2007

LAMENTO AMOROSO Poema oriundo da Amazónia do Livro * Rosa do Mundo *






Não quero mulher que tenha
muito delgadas as pernas,
como venenosas serpes,
de medo que elas me apertem.

Não quero mulher que tenha
muito comprido o cabelo,
um molho de ervas espesso
onde acaso eu me perca.

Quando sem vida me veres,
sobre o meu corpo não choraes;
deixa que a águia ao ver-me
seja a única que me chore.

Quando sem vida me veres,
deita-me á floresta negra:
o tatu há-de vir ver
a cova onde meter-me


Versão : Herberto Helder

5 comentários:

  1. 'Não quero'
    ........
    Há um ditado que diz: 'Nunca digas, desta água não beberei'. Creio que o mesmo se aplica aqui. Este 'não quero' está relacionado com alguma opulência, pis o 'não querer', está relacionado com a necessidade. Um faminto aproveita uma simples migalha, que para outro não tem qualquer significado.
    Fica bem.
    Felicidades.
    Manuel

    ResponderEliminar
  2. Oi amiga/o, desculpe, não achei o seu nome!!Muito lindo o seu blog!!Parabéns!!Adorei as mensagens!!Lindas poesias... eu adoro poesias, voltarei outras vezes pra ler tão lindas mensagens!!Desejo tudo de bom a você!!Beijo!!

    ResponderEliminar
  3. OLÁ!
    GOSTEI DO TEU BLOG E DOS POEMAS K LI . EU TMB TENHO UM BLOG COM POEMAS ESCRITOS POR MIM E FOTOS MINHAS TMB. SE KISERES DÁ UMA OLHADA.
    HTTP://PAIXOESEENCANTOS.BLOGS.SAPO.PT
    BJO
    CARLA GRANJA

    ResponderEliminar
  4. O Herberto Helder nunca nos surpreende. Tem água para todos os moinhos.

    ResponderEliminar