5 de junho de 2008

O Teu Corpo poema de ÂNGELO GOMES






Deixa-me acordar, sorrir, esbracejar
Em cada alvorada de sonos inquietos
Pensamentos lentos, lista de afectos
Tua voz sentir, acto de inventar

Desenho o teu corpo enquanto desperto
De suave tecido em mãos de ternura
Que beijo e rebeijo com tanta doçura
E amo e possuo como se estivesses perto

Que venham sóis, chuvas ou tormentas
Que toquem os sinos abordando rebates
Que caiam ferros, pedras, alicates
Que as bocas estejam secas e sedentas

Oh... como adoro o teu corpo de frescura
Razão das razões... toque de magia
Que invade o meu, deixando nostalgia
Saudade intensa, retrospectiva pura

Corpos colados, invasão das mentes
Selados em lençóis ou calmas areias
Torcendo, mexendo, como centopeias
Acabando molhados, sôfregos, ardentes

Adoro o teu corpo de sonho e desejo...
Suporte de um todo que vejo e revejo.



ÂNGELO GOMES


Publicado no Recanto das Letras em 03/09/2006
Código do texto: T232095

2 comentários:

  1. Um poema com muita doçura.
    Mas todos sabemos que é um poema. E a vida não é só poesia. é também tristezas e algumas alegrias. Uma forma de tentar equilibrar os momentos menos bons.
    Fica bem.
    e a felicidade por aí.

    ResponderEliminar
  2. Lindo demais seu blog.
    Adorei tudo o que li.
    Se me permite, volto.

    Linda noite pra ti.

    ResponderEliminar