3 de abril de 2008

DESDE QUE EU O VI... poema da Alemanha , de Albert Von Chamisso

Desde que eu o vi,
Cega julgo estar;
Só a ele vejo,
Olha pra onde olhar;
Com a sua imagem
Sonho em pleno dia,
Vem das trevas, sobe,
Clara de harmonia.
Sem ele tudo é
Sem luz e sem cor,
Já não me apetece
Coas irmãs brincar;
Agora só quero
No quarto chorar;
Desde que eu o vi,
Cega julgo estar.




Trad: João Barrento

3 comentários:

  1. Tem um sabor aquelas rimas do Camões.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Te dou esses meus olhos carentes...pedintes
    Esfomeados, pintados pela menina dos teus olhos
    Te dou meus olhares enviezados...apaixonados
    Te darei minhas mãos tecedoras, cúmplices
    Artezanais, criadoras e acariciadoras
    Enfim, é tua essa minh´ alma despida... nua
    Te oferto minha pele ardente,meu beijo quente

    ResponderEliminar
  3. Um poema que retrata uma determinada época da vida; a época em que se acredita em tudo.
    Fica bem.
    E a felicidade por aí.
    Manuel

    ResponderEliminar